"Cansados da eterna luta por abrir um caminho pela matéria bruta, escolhemos outro caminho e nos lançamos, apressados, aos braços do infinito. Mergulhamos em nós mesmos e criamos um novo mundo."- Henrik Steffens

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Do Sonho

A vida é tudo isso
E tudo isso é essa constante fuga...

A manhã fez-se lenta e amarga
E ainda que todos lembrassem
para a sua felicidade
Desejava esquecer

Morria sempre
E sempre é cada dia
Se despia em cada linha

E os rastros que o tempo praguejara
traziam-na de volta a vida
para morrer mais uma vez

cada verso exposto
um sentimento parido
escreve para depois queimar

Daisy Araújo.

4 comentários:

  1. Cada trecho de um poema é como um mundo diferente e muitas ideias. Hoje escolho os primeiros dois versos para pensar.

    Se é uma contante fuga, então é verdade que não existe casa, em si é só terra desconhecida, dentro.
    Talvez eu fuja para as outras pessoas, quando os dias passam a morar dentro de mim.

    ResponderExcluir
  2. Eu sonhei com essa frase! Na madrugada do meu aniversário! Que bonito o que você escreveu...Tudo é terra desconhecida sim! Principalmente dentro! Eu anseio fazer-me outras moradas... Eu procuro um tempo!

    ResponderExcluir
  3. Oi moça!!

    Desculpe a demora em vir, ando ausente... ausente de tudo, de mim... mas vem cá!! Isto aqui tááá lindooo!! Um show visual e tua poesia é tudo! Forte, rasgante! Ameiiiiii! Virei fã!!

    Obrigada por me apresentar tua poesia, muito prazer!!

    Zilhões de beijos!!

    Ah, volto logo hien!!

    ResponderExcluir
  4. União perfeita de palavras... muito bom!

    ResponderExcluir

Deixe-se...